terça-feira, 24 de novembro de 2009

I´m still around!

Após meses de negligência, resolvi reativar esse blog. Para sorte/azar seu(ua)/meu(inha). Então aqui vai uma antologiazinha de algumas coisas que escrevi no decorrer desse ano... fiquem à vontade para comentar. Ou não.


A realidade de um mundo caído
O limite entre a graça e a eterna desgraça
Uma composição para ser lembrada
Trará à luz a verdade, e será tocada
Seus ruídos ensurdecerão ouvidos
Provocarão gritos de angústia e dor
O maldito perjúrio de uma boca envenenada
E lábios comidos por ratos
Essa será a canção dos tolos
E a espada que fere mil continua afiada
defende a vida de seu portador
O cálice da dor torturou o primeiro
O segundo gole inaugura a salvação.

A dança das tragédias
Ao som da desgraça
É a ilusão de um mundo morto
Ludibriando a humanidade desprovida de sentido.

...

Repentinamente o tempo fez com que eu percebesse que não sei aquilo que acreditava saber (...) sou o objeto e o sujeito de algo denominado vida. Com a ajuda de Deus espero encontrar aquilo para que existo, todo propósito e sentido. (...) Vida e existência são palavras sem definição; sua praxe é banal, mas seu significado é profundo .

...

É nesse estado de completo caos que me lembro de uma simples palavra que parece trazer consigo a luz, o calor e o conforto que tanto busco: Amor.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Alguns aspectos

Hoje eu decidi escrever um pouco sobre a cultura cotidiana da Suécia.

Na culinária podemos observar alguns elementos indispensáveis na mesa dos suecos, dentre os quais estão o pimentão e o pepino (desde o café da manhã até o jantar), a batata, ovos de galinha, leite (que eles costumam consumir sem achocolatado, puro ou misturado com café ou chá, e bebem inclusive durante o almoco e janta), o café (geralmente bem forte e sem acúcar), queijo, cenoura, macã. A carne aqui é muito, muito cara. Um pedacinho de carne de talvez uns 300g pode custar até o equivalente a R$ 50,00, entretanto a linguica, salsicha e afins são mais baratos. Eles têm um Kaviar, que eles utilizam bastante, que é bem salgado. O salmão é muito comum aqui, consumido principalmente defumado, e é delicioso.

A sociedade aqui é mais equilibrada, sem desigualdades. Outro dia conversando com alguns suecos eles disseram que só é pobre aqui quem escolheu essa vida, no caso, entrando em vícios, mas ainda assim essas pessoas têm uma excelente assistência para recuperacão. Os salários aqui são muito parelhos, não existe (como no Brasil) aquela diferenciacão de classes pelo emprego. Uma empregada doméstica aqui (muito rara) ganha mensalmente 20.000,00:- que equivalem a uns R$ 5. 100,00. Um garcom de bar ganha em média uns 16.000:- (R$ 4.150,00). Isso é muito legal.

Os suecos possuem altas taxas que pagam ao governo. Em média 30 a 40% do salário vão em impostos e taxas, e além disso os produtos essesnciais (comida, moradia) são bastante caros aqui. Mas ao menos essas taxas podem ser vistas como investimentos, uma vez que eles recebem muitos benefícios disso, como por exemplo as escolas aqui são ótimas e possuem refeicões (se não me engano hoje em dia são totalmente gratuitas, mas a uns anos atrás eram pagas com uma quantia bem simbólica). Além disso todo o atendimento médico e odontológico até os 18 anos e para gestantes é totalmente gratuito, incluindo cirurgias (um dos rapazes da minha família nasceu com um problema nas pernas e precisou fazer várias cirurgias, todas gratuitas; creio que no Brasil elas custariam anos em fila de espera ou algumas dezenas de milhares de reais).

Os jovens aqui geralmente, ao terminar o ensino médio, não têm uma pressão para entrar na universidade (o ingresso se dá pelo desempenho no ensino médio). A maioria quer trabalhar em algum bar ou lanchonete e ganhar dinheiro para viajar, ganhar a independência o quanto antes, e depois eles vão pensar em faculdade. Isso pra mim é muito estranho, mas é interessante, pois no Brasil a pressão que temos se deve principalmente por não termos o requisito supracitado de um equilíbrio salarial, ou seja, para obtermos um bom emprego temos que estudar muito, e quanto mais cedo comecarmos, melhor.

As pessoas aqui geralmente fazem o servico de casa. Limpeza, reparos, até mesmo a construcão da casa é feita por eles.

A tendência é de as pessoas se tornarem cada vez mais ecologicamente corretas. Eles possuem muitos produtos fair trade, ecológicos, etc. Entretanto os suecos fumam muito, é algo impressionante.

Bom, acho que por hoje é suficiente.

Abracos a todos,
Saudades do Brasil

Bruno

quinta-feira, 16 de abril de 2009

News











Bem... já faz um tempo desde a última atualizacão... acho que está na hora de fazê-lo novamente.

Minha páscoa foi em Halmstad, uma cidade famosa por suas praias. Fui com minha supervisora Therese e sua família ( e o Carlos também) para a casa dos pais dela. Foi muito legal! Quando chegamos lá tinha uma bandeira do Brasil estendida para nos recepcionar! Na sexta fomos assistir a um jogo de futebol, muito bizarro... mas o time de Halmstad tem um jogador brasileiro, e eu e o Carlos fomos falar com ele na segunda etapa, quando ele aquecia. Uma fiscal não gostou muito da nossa aproximacão, mas conseguimos falar com ele. Durante a estada lá vimos um pôr do sol incrível, no oceano, visitamos praias, conhecemos gente, vimos filmes brasileiros que o Carlos levou... devo ter esquecido de alguma coisa, e o resto ficou muito resumido, mas vou postar fotos...

Hoje eu e o Carlos fomo à Lund fazer uma entrevista que vai sair no jornal da Igreja da Suécia e no site deles. Eu comprei um livro de meteorologia em sueco (bah...), "Väderbok", e estou disposto a aprender ambos, meteorologia e sueco. Alguém descobriu que eu podia tocar alguma coisa de música, então eu já toquei e cante num culto, num culto de batismo, num outro culto, num lar de idosos, e no kindergarden pra criancinhas. Foi legal.
Ah, também fiz uma viagem por Skåne, a proincia onde estou... foi bem legal! Visitamos um lugar chamado Ales Stenar, que é tipo Stonehenge, formacão de rochas antigas... postarei fotos também.
Minhas atividades continuam ótimas, trabalho principalmente com criancas e a gente se diverte bastante!

domingo, 5 de abril de 2009




Rio em Kävlinge

Costa oeste





Jag älskar Sverige!!

Bom, tenho vivido dias maravilhosos aqui na Suécia, nem sei como comecar a contar minhas experiências...
Essa semana eu participei de uma encenacão sobre a páscoa, muito legal mesmo, seria legal fazer no Brasil também. Não era simplesmente um teatro, o público participava ativamente da construcão e no andamento da encenacão. Havia uma narradora, vestida com túnica como nos tempos de Jesus, que convidava o público pra juntar-se à mesa da última ceia. Havia, no chão, uma toalha grande estendida com copos de suco, pão, frutas, e o pessoal se juntava ao som de uma musica festiva meio árabe. Então comecava o diálogo entre os discípulos. Jesus nunca "aparecia" em cena, sempre a narradora relatava as falas de Jesus. O enfoque dessa cena era a traicão de Judas, então tinhamos 4 discipulos propriamente ditos. No fim Judas saia correndo derrubando cadeiras, etc. Na segunda cena a narradora levava as pessoas para uma sala escura (no caso o hall de entrada do templo) onde haviam umas velas e decoracão com folhagens pra representar o Getsêmane, e eu estava num cantinho tocando uma música triste no clarinete enquanto as pessoas entravam. Então a narradora relatava as atividades de jesus e seus discípulos no jardim. As pessoas podiam ouvir a uma voz masculina (Jesus) orando e falando com Pedro, mas sem vê-lo. Subitamente entra um soldado romano buscando Jesus, aí entra Judas e diz para segui-lo. A terceira cena é na presenca de Pilatos, onde o povo opta por crucificar Jesus (os atores gritam sua preferência por Barrabás e seu desejo de crucificar Jesus). Aí é a parte mais legal. As pessoas são dispostas em filas e recebem vendas para os olhos. A narradora comeca então a descrever as torturas de Jesus. Quando fala em coroa de espinhos, passávamos coroas com pontinhas na cabeca das pessoas. Depois depositávamos pedacos longos de madeira sobre seus ombros, simbolizando a cruz, e então eu e o Johan, que tínhamos chicotes, íamos levando as pessoas até o altar dando fortes chicotadas no chão e nos bancos. As pessoas reagiam bem forte a isso. Depois retirávamos a cruz e enquanto o Johan dava marretadas num pedaco de madeira nós dávamos pregos pra pessoas, que ainda estavam vendadas. Depois as pessoas ouviam Jesus sendo zombado, e quando Jesus bebia o vinagre passávamos com um treco fedorento no nariz das pessoas. Então o Johan ia no meio das pessoas e gritava (gritava mesmo, as pessoas pulavam de susto!!): "Min Gud, min Gud, varför har du övergivit mig!" (Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste!". Nessa parte a música de fundo parava e rasgávamos um pedaco de pano (véu do templo se rasgando). Aí depois seguia relatando as coisas, quando as mulheres iam perfumar o corpo de Jesus passávamos perfume pra cheirarem. As vendas só eram retiradas quando a ressurreicão era anunciada, e as pessoas iam até um lugar onde haviam panos (faixas) e um anjo falava com elas. Foi muito legal fazer parte disso, apresentamos pra criancas de escolas e pra igreja também.

Também conheci um pouco sobre os negócios de cemitério aqui na Suécia com o Johan (o mesmo do teatro), que trabalha com isso na igreja. A igreja faz todo o servico funerário (exceto cremacão), mas a igreja tem cemitério nos arredores (tenho fotos no orkut), que são muito bem cuidados e bonitos. Eles tem a capela e junto da capela eles têm uma sala refrigeradora (eu entrei lá), onde eles guardam os corpos por 2 a 3 semanas até o enterro. Quando eu entrei tinham cerca de 7 caixões...

Hoje eu participei de uma pequena encenacão sobre o domingo de ramos com os juniores no culto, e à tarde eu toquei violão num batismo de uma menina de 15 anos, que vai se confirmar em maio. Depois, à tardinha, eu, o Carlos e o Lehnart (pai da família) fomos caminhar pela cidade, principalmente à margem de um rio. Estava lindo!

Bom, acho que deu de informacões por hoje...

Kram! Abracos!

terça-feira, 31 de março de 2009

Mais noticias....














acima imagens de Malmö e da espada q comprei...

Olá pessoal!!



Meus dias aqui na Suécia continuam sendo maravilhosos!


Sexta passada eu fui com o Elias (o cacula da minha família hospedeira, 10 anos) pra escola dele. A primeira aula era de costura! Eles aprendem a usar máquinas de costura e a fazer algumas coisas do tipo. Depois eles foram pra uma sala de aula se preparar pra um "concerto musical" que eles apresentaram pras criancas menores. Foi muito legal. Depois eles voltaram pra sala e desenvolveream algumas atividades, como criar joguinhos. Depois tiveram o almoco, e depois do almoco eu fui embora. mas é muito interessante, porque parece que eles têm mais atividades que visam desenvolver habilidades diversas e estimular os alunos.


No sábado eu e o Carlos fomos à Malmö, a convite do Marcus (filho de uma mulher que trabalha junto da minha supervisora, e que eu acompanhei a semana passada) e de sua namorada, a Frida, desfrutar de um evento de Ficcão científica, então tinha muita coisa de filmes (prinipalmente star wars), games, souvenirs, espadas e alguns atores famosos pra tirar foto e dar autógrafos. Estava muito legal, aproveitamos bastante! Ainda ganhei um cd de blak metal autografado e comprei uma espada e umas coisinhas mais... depois ainda demos um giro pela cidade (que é linda por sinal) em busca de uma pizzaria.


Bom, essa semana eu já trabalhei mais um pouco com criancas (tem sido muito legal isso!) e amanhã eu vou visitar um lar de idosos, o que também vai ser muito legal. também essa semana estamos fazendo algumas performances relacionadas à páscoa, e eu continuo fazendo o curso de sueco, hoje foi minha segunda aula. Jag ska larra svenska!!


Na páscoa eu e o Carlos vamos ir com a minha supervisora e sua família a Halmstad, onde os pais dela moram. Acho que vai ser bem legal. Ela disse que tem umas primas bonitinhas e que a gente poderia conversar com elas (ahuahuahuahuahuahu! Deixei alguém preocupado?!).


Também no fim de abril fomos convidados pela família hospedeira (segundo a Ludmila o termo "família hospedeira" é muito tripanossoma cruzi, mas não me vem nada melhor na cabeca) pra ir à Dinamarca, numa confirmacão de um sobrinho.


Semana que vem vamos ter um passeio por Skåne, a província onde estamos.


Bom, acho que é isso.


Mãe, estou me alimentando bem e ainda não fiquei doente, embora que pelo menos uns 5 suecos ao meu redor já tenham ficado...


Hej då!

quarta-feira, 25 de março de 2009

Concerto Musical em Lund - Domkyrkan

video
video

Atividades e Impressões




Onde moro... Onde trabalho...



Uma das igrejas de Kävlinge Cemitério... a coluna quebrada indica suicídio... :(

Meus dias aqui em Kävlinge têm sido bem legais!! Lamento o fato de não ser muito bom em atualizar blogs, mas acho que agora está na hora de fazer isso de novo...

Bom, semana passada, no sábado a gente fez sushi na casa da minha família hospedeira. Foi muito divertido e estava muito bom!!! No domingo assistimos ao culto "Mysterium", que também foi tri massa, tinha um coral muito bom e tudo estava legal. Na segunda feira à tarde eu fui ao "minior group", uma espécie de creche da igreja pra onde algumas criancas vão depois das aulas, direo, e onde brincam, fazem lanche, e têm atividades bem legais. Como a faixa etária é de 6 a 9 anos, elas ainda não falam inglês, mas mesmo assim elas foram super legais comigo!! Ainda na segunda à noite eu e o Carlos fomos à Lund numa janta que o pessoal de lá fez pra nos dar as boas vindas. Foi dez, pois além de a comida estar ótima, o pessoal foi muito receptivo e também tivemos uma espécie de "mini culto", em que duas meninas que foram ao Brasil ano passado por esse mesmo programa de intercâmbio cantaram uma musica em português e tal.
Na terca de manhã tivemos um ensaio pra uma apresentacão que vamos fazer pras criancas referente à páscoa. Depois fui a Lund me econtrar com o Carlos, pra almocar juntos porque às 12:30 fomos a um curso de sueco que vamos participar, é só conversacão, bom informal, e é grátis, então vamos fazer, todas as tercas. À noite a Irene, uma mulher que trabalha no escritório da igreja e com o "minior group" do qual eu falei antes, me levou pra jantar na sua casa e conhecer sua família. O filho mais velho dela, Marcus, convidou a mim e ao Carlos pra no sábado ir a Malmö num evento de ficcão científica onde vão estar atores famosos de Star Wars, Fred Kruger, e outros filmes.

Sobre a igreja da suécia: pude perceber que tem muita gente comprometida, mas que também cada vez mais pessoas evitam ir à igreja e tal, a maioria dos membros ativos são idosos e mulheres. Também tenho percebido que apesar de a igreja sueca ser muito envolvida com muitos projetos (em sua maioria sociais e relacionado com questões globais e ambientais) a fé muitas vezes não é tão importante. Apesar de se falar muito em "um só corpo" e unidade, a mim parece que em muitos casos (não todos!) isso é um pretexto para cada um poder crer no que bem entende, sem precisar sofrer por transformacões no modo de pensar (como diz em Romanos 12:2). A questão é que devemos mesclar a fé e as obras; não destacar um em detrimento de outro, mas deixar que as obras existam pela fé ao passo de que a fé seja fortalecida pelas obras.
A grande maioria das pessoas que trabalham na igreja são remuneradas: músicos, professores, etc, que em geral no Brasil trabalham como voluntários. Isso traz aspectos positivos e negativos. Eu percebo aspectos positivos no fato de que eles têm muito mais trabalhos relacionado com as questões globais de que eu falei, a tal da creche, e isso traz uma certa organizacão pra igreja. Mas, negativamente, isso restringe muito o servico voluntário, e talvez esse seja um dos motivos da evasão de muita gente da igreja. O trabalho fica a cargo de quem é remunerado pra fazê-lo.

Bem, aqui esão algumas das minhas impressões até então, sem muitas conclusões, mas com muito aprendizado.

sexta-feira, 20 de março de 2009

É isso...


Vista da torre da Catedral de Lund



Eu gostaria de postar aqui um linda cancão sueca:


Möt mig nu son den jag är
håll mitt hjärta nära dig
gör mig till den jag ska bli
och lev i mig



Receba-me agora, assim como estou
mantenha o meu corac,ão perto de ti
me transforme naquilo que eu devo ser
e viva em mim


Meus dias aqui em Kävlinge (leia-se chévlinha) têm sido muito bons! A minha família hospedeira é muito legal, são bem simpáticos. A minha supervisora também é muito gente fina. Hoje nós organizamos o culto que daremos na quarta feira, e ela me deu uma bíblia em suéco!! Ontem passei o dia em Lund, e hoje irei pra lá de novo à noite encontrar o Carlos e participar de uma atividade de jovens lá. Hoje o almoco com a Therese (minha supervisora) foi muito engracado! fomos comer pizza, aí eu disse pra ela sugerir algo. Então eu deixei ela fazer o pedido. Quando percebi, o garcom estava trazendo uma pizza só pra mim!!!! Os suecos comem muuuito! Eles têm um negócio chamado "fika", um lanche, daí o dia deles é assim: café da manhã (7:30, 8h). Fika as 10:00. Almoco 12h. Fika 14:30. Janta 18h. Depois ainda tem outro fika. Só que os "fika" deles é uma refeicão completa! Não é um lanchinho como nós fazemos no Brasil! Tenho bastante coisa pra fazer, em geral encontros e atividades assim. Segunda vou a Lund de novo pra uma janta de boas-vindas. No sábado dia 28 vou a Malmö num evento de ficcão científica, onde vão estar alguns atores famosos e tal, isso a convite do filho de uma mulher que trabalha no escritório, a Irene, que foi junto da minha supervisora me buscar em Sigtuna.

Hoje eu também fui com o Mark levar alguns materiais pra reciclar num supermercado (garrafas pet, latinhas e vidro). Eles têm umas máquinas de coleta e eles ganham dinheiro por reciclar! Por exemplo, hoje nós conseguimos 100 coroas suecas, aproximadamente Rs 30,00, e não tínhamos uma quantidade absurda de material, tipo, o que eles devem ter juntado em 2 semanas.

Bom, acho que é só por hoje.

Hej då!

segunda-feira, 16 de março de 2009

Mitt hjärta hoppas i herren!

Caros amigos!!! Hur mår du?
Desculpem a minha falta de empenho em atualizar o blog... não temos muito tempo livre por aqui, e as vezes não to com muito saco mesmo...
Essa semana foi ótima aqui em Sigtuna. Tivemos muitos encontros, "fikas" (lanches que eles têm entre as refeicões), fomos duas vezes até a cidade de Uppsala (podem ver as fotos no orkut, aqui na Folkhgöskola não tem como enviar fotos por email ou por no blog).
Ontem eu conheci a minha monitora, ela é bem legal. Amanhã nós iremos pra uma vilazinha perto de Lund, se eu não me engano o nome é Kälvsgen, ou algo assim. Mas a supervisora disse que eles estão me aguardando ansiosamente, e como já percebi, os suecos são muito receptivos e atenciosos!
Não posso deixar de mencionar que as suecas são realmente, realmente lindas! ahuahahahahuahu
a neve já está derretendo... acho que não terei mais neve...
bom, por hj é isso... daqui a pouco tem janta!
abracos!

terça-feira, 10 de março de 2009

Sigtuna!!!

Olá pessoas!!!!

A Suécia é um país muuuito legal! Eu cheguei ontem em Estocolmo e fomos direto pra Sigtuna, uma cidade bem próxima, muito linda. tive a sorte de presenciar a neve aqui, nevou o dia todo, e isso foi realmente um presente de Deus!
Sinceramente eu não achei tão frio... sinto mais frio no inverno de Pelotas, é mais congelante, apesar de que aqui nevou o dia todo...
O lugar em que estamos é realmente lindo!!! Quero ver se consigo postar algumas fotos...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Educação, um tema fundamental

Bom, hoje eu gostaria de postar um trabalho (resumido) que fiz no primeiro semestre do curso de Matemática (Universidade Católica de Pelotas), pela disciplina de Filosofia e Educação, sob a coordenação da professora Jara Fontoura. O trabalho envolveu o estudo e o debate sobre a obra "Implicações antropológicas na filosofia da educação de Paulo Freire", dos professores da Universidade Federal de Pelotas Gomercindo Ghiggi e Telmo Kneip. Minha intenção aqui é provocar a reflexão sobre esse tema tão importante da atualidade que é a educação, e gostaria que todos ficassem à vontade para expor suas opiniões e críticas. Não tenho, de modo nenhum, a pretenção de estar 100% certo, mas espero que os leitores apreciem o texto, um breve resumo da obra.

O que há de relação entre o homem e a educação? Tudo. Em última análise, o por quê da educação é o próprio ser humano. A revolução que Paulo Freire realizou no aspecto educativo foi “simplesmente” introduzir a educação no contexto humano, tornando-a acessível, interessante e produtiva.
A essência de ser humano é fonte de inúmeros debates filosóficos, pois na medida em que compreendemos o homem podemos reconhecer suas motivações, suas necessidades, seus valores, o melhor programa para educá-lo. Todo sistema educacional pressupõe uma filosofia do homem. Considerando este fato, constatamos facilmente que a vocação ontológica do homem é a de ser sujeito, e não objeto. Quando o homem é tratado como objeto sua identidade é abstraída e ele é desumanizado. Como sujeito, o homem possui como práxis a unidade entre sua ação e reflexão sobre o mundo, tornando-o apto a transformar a realidade dentro de sua criticidade.
Em uma sociedade desigualitária temos a figura do oprimido e do opressor. O oprimido é o indivíduo desumanizado, diminuído, expropriado de sua vocação. Precisam lutar contra essa condição, mas temem, pois possuem a força opressora introjetada em si. Os opressores são aqueles que violentam, que querem ser mais. São os responsáveis pela desigualdade e possuem o dinheiro como medida das coisas. O alvo principal da pedagogia freiriana são os oprimidos.
A cultura para Freire, “tem um sentido muito diferente e muito mais rico do que tem no sentido ordinário. A cultura – por oposição à natureza, que não é criação do homem – é a contribuição que o homem faz ao dado, à natureza. Cultura é todo o resultado da atividade humana...”. é a integração do homem às condições do seu contexto de vida, oriunda de sua reflexão sobre elas em resposta aos desafios existentes.
A comunicação e o diálogo são as condições sem as quais não há educação ou aprendizagem: “a comunicação é a co-participação dos sujeitos no ato de pensar... um encontro de sujeitos interlocutores que buscam a significação dos significados”. Existir, humanamente, é pronunciar o mundo, é modificá-lo. O mundo pronunciado, por sua vez, se volta problematizado aos sujeitos pronunciantes a exigir deles um novo pronunciar. Não há o “pensar sozinho”; os indivíduos reunidos (mediatizados) em torno de um objeto pensam juntos através do diálogo. A educação não é, por este motivo, transmissão de conhecimento, mas sim a construção deste.
No estudo filosófico sobre a linguagem e o pensamento, temos que o exercício da inteligência como pensamento é inseparável da linguagem, pois a linguagem é o que nos permite estabelecer relações, concebê-las e compreendê-las. Graças às significações que atribuímos aos objetos é que podemos pensá-los e criá-los. Também podemos perceber que as aquisições da linguagem e do pensamento andam juntas.
Educar é conscientizar. A educação e a alfabetização devem ter como propósito alcançar o homem na sua essência e despertá-lo para ser sujeito de sua própria história. Como prática da liberdade propõe uma reflexão sobre o homem e suas relações com o mundo e exige que se estabeleçam, como exemplos a título de exercício do pensamento, situações reais que sirvam como objeto em torno do qual o educador-educando e o educando-educador estabeleçam o diálogo que gerará respostas e atitudes. Para isso, o educador deve buscar do contexto dos educandos um universo temático que possa ser explorado, e palavras que, antes da fonética e gramática, possuam um significado real ao ponto de fornecer subsídio para a construção do pensamento autônomo.
Paulo Freire expôs três tipos de educação: a educação bancária (que consiste no fato de que o educador possui o conhecimento e deposita este no educando, gerando indivíduos passivos, conformados, alienados), a educação libertadora (que possui um caráter reflexivo e propõe ao homem a descoberta de si mesmo como sujeito, reconhecendo a inconclusão do homem e uma realidade a ser construída) e a educação popular ( que visa uma aproximação cultural do universo popular, objetivando preparar os indivíduos para transformações sociais).
A educação é um ato político, por envolver uma concepção de ser humano e de mundo e por impelir os homens à uma luta concreta para sua libertação.

Fonte: GHIGGI, Gomercindo & KNEIP, Telmo. Implicações antropológicas na filosofia da educação de Paulo Freire. Pelotas: Seiva, 2004.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Mais loucura...

Há um ponto eu que a lógica e a loucura se confundem, em que a razão se perde.
Quanto mais eu observo as coisas e reflito sobre elas tanto mais elas me intrigam, concedendo-me, simultaneamente, tanto vislumbres sobre a lógica do funcionamento das coisas (como a sociedade, o pensamento e inclinações humanos) e um sentimento de empolgação por compreendê-las, como uma sensação estranha (como a de estar em um labirinto), pois por mais que se pense parece que nunca se chega a uma conclusão objetiva, coerente e clara sobre a realidade da vida.
Esse sentimento estranho reduz em mim o conceito de vida e existência a um duplo status de dignidade e indignidade, que ainda não sei se são concorrentes e opostos entre si ou não, apesar de parecerem.
Tentando explicar melhor, digo dignidade pela compreensão que tenho de ser humano, dotado de valor, criado por Deus e digno de amor, respeito e manutenção da vida. O aspecto da indignidade é oriundo de uma atitude negativa do ser humano contra si mesmo, que poderíamos denominar pecado.
Vida e existência são palavras sem clara definição; sua práxis é banal, corriqueira, mas seu significado é profundo.
Essas constatações, apesar de não me permitirem ainda ter conclusões sobre aspectos da vida em si, me outorgam certa ousadia para afirmar que embora não entendamos muitas facetas da vida, é justo que a vivamos em parceria de fé com quem no-la deu: o próprio Deus, a quem devemos confiança e a condução da nossa vida. Dessa forma, aquilo que nossa mente não pode desvendar não permanece um mistério senão de fé, com o qual podemos ter paz, mesmo sem "ver", através dessa convicção que a própria fé nos dá.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Silêncio!

Um momento de silêncio, um instante de quietude...
A busca por uma vida a ser vivida, por uma visão a ser seguida, uma paixão que me incendeie...
A humildade para recomeçar sempre que preciso; a coragem de amar sempre que possível. Compreender a vida sem negligenciá-la - um bem tão profundo e desconhecido.
Percebes o tempo passar, num misto de sabedoria e surrealismo, iludindo a todos na dualidade distorcida eternidade/finitude?
Por pouco, muito pouco, e a nossa vida é completamente alterada. Num instante. Numa decisão. A implicação eterna de cada momento requer humildade intrínseca e a graça do alto.